Arquivo da tag: alimentos que emagrecem

Motivos para consumir a chia, auxilia no emagrecimento!

Com muito ômega-3, cálcio, fibras, ferro e diversos outros nutrientes, esta é a famosa Chia, o emagrecedor da vez. Encontrada no sul do México, está prometendo uma infinidade de vantagens para sua saúde, e ainda pode ser um grande aliado na perda de peso. A porção diária recomendada 1000mg 30 minutos antes das refeições com um copo de água ou 1 colher de sopa no suco de uva, antes das refeições que auxilia na diminuição do apetite.

Tira a fome

Rica em fibras tanto solúveis quanto insolúveis, que ajudam a regular o trânsito intestinal, evitando ou tratando a prisão de ventre. Proporciona mais saciedade, pois em contato com líquido no interior do estômago forma uma espécie de ‘gel’ que dilata o estômago, auxiliando no emagrecimento.

Ômega-3

A porção de semente de chia tem 400% da nossa necessidade diária de ômega-3, que é responsável por afastar as doenças cardiovasculares. Reduz a formação de coágulos sanguíneos e arritmias, fortalece o sistema neurológico, evita depressão, aumenta a absorção de nutrientes e diminui o colesterol. Também ajuda na regulação da pressão dos vasos sanguíneos uma vez que aumenta a fluidez sanguínea, evitando  o aumento da pressão arterial.

Cálcio

100 gramas da semente de chia tem seis vezes mais cálcio que meio copo de leite integral. Ajuda na formação da massa óssea, evitando a osteoporose. Uma porção de semente de chia tem cerca de 21% das nossas necessidade diárias de cálcio.

Ferro 

Para quem não gosta de vegetais ou quem sofre de anemia ferropriva, que precisa ingerir boas fontes de ferro, 100 gramas de chia oferecem três vezes mais ferro que a mesma quantidade de espinafre, por exemplo. Uma porção da semente tem 67.8% das nossas necessidades diárias em ferro.

Proteínas

100 gramas da semente de chia carregam 16g de proteína em sua composição. A semente ajuda na manutenção de massa muscular, fornece mais energia para as células nervosas e ainda pode complementar as necessidades proteicas – uma porção da semente de chia tem 8.6% das nossas necessidades diárias nesse nutriente.

Magnésio 

A porção possui 27.9% das nossas necessidades diárias de magnésio, que é indispensável para o pleno funcionamento do nosso cérebro e ligações cognitivas.

Vitamina A

A porção diária da semente de chia possui cerca de 20% das nossas necessidades de vitamina A, que melhora o sistema imunológico e protege a pele e os olhos contra o processo de envelhecimento.

Potássio

Uma porção de chia tem 6.4% das nossas necessidades diárias de potássio, que tem grande participação na ação muscular, sendo essencial para quem pratica exercícios físicos todos os dias.

Vitaminas do Complexo B 

A semente de chia também possui em sua composição a niacina, a tiamina e a riboflavina, todas vitaminas do complexo B, que são fundamentais para o pleno funcionamento do nosso sistema nervoso, além de auxiliar no metabolismo das nossas células, fazendo com que nosso organismo todo funcione melhor. Uma porção de chia possui 13% das necessidades diárias de niacina, 4.6% das de riboflavina e 30% das de tiamina.

Antioxidantes contra radicais livres 

A semente de chia possui ácido cafeico e ácido clorogênico, ambos antioxidantes que ajudam a neutralizar os radicais livres, combatendo o envelhecimento celular e prevenindo nosso organismo contra diversas doenças, inclusive o câncer. 

Manganês

A porção da semente de chia tem 63.5% das necessidades diárias de manganês, que participa na síntese de várias reações enzimáticas, e estimula o crescimento dos ossos e do tecido conjuntivo.

Zinco

Na porção de chia você encontra 12.3% das necessidades diárias de zinco, que melhora nossa imunidade, paladar, olfato e visão, além de promover a liberação do hormônio do crescimento e ajuda na formação de colágeno.

Cobre

A porção da semente possui 30% das necessidades diárias de cobre, que auxilia na facilita a formação de elastina e colágeno, absorção do ferro, é catalisador na formação da hemoglobina e melhora nossa imunidade.

O que fazer no pós Feriado? Alimentos que ajudam na dieta


Nesse ultimo final de semana, todos exageramos na comida. Dia das Mães, você já viu, tudo de bom e gostoso pra comer. Mas, como segunda e o dia de iniciar dietas, seguem algumas dicas.

Mesmo que a sua dieta seja tão frugal quanto a dos vigiados cardápios de spas onde até uma lâmina de tomate é encarada como um manjar dos deuses, difícil imaginar que alguns alimentos devem entrar no cardápio para emagrecer. Pois bem, escute esta: o processo de digestão requer uma demanda extra de energia. O organismo gasta calorias apenas para aproveitar os nutrientes vindos da comida. Alguns itens demoram mais para ser digeridos, induzindo o corpo a um gasto calórico maior. Há, ainda, alimentos que instigam o cérebro a acionar o metabolismo. Outros promovem rapidamente a saciedade, evitando que você se atire, na sequência, em direção a um pote de sorvete. Todos eles — abençoados! — têm um ponto em comum: além de fornecer nutrientes, ajudam a incinerar gordura. Quer dizer, são aliados da boa forma e não podem ficar de fora do cardápio diário.

Pimenta vermelha (Caiena)

Esse tipo de condimento possui capsaicina, substância que atua no cérebro, estimulando o processo de queima de gordura. Um estudo do Instituto Politécnico de Oxford, nos EUA, constatou que entre 3 e 4 g diários dessa pimenta aceleram em 20% o metabolismo. Ela também é digestiva e ativa a circulação. Uma alternativa para aqueles que não gostam do sabor é consumir o item manipulado, na forma de cápsulas. A restrição é para quem tem problemas de hemorroidas: a capsaicina irrita a parede das veias, provocando ardor.

Iogurte desnatado

Iogurtes e leites desnatados são enriquecidos com cálcio, mineral que ajuda a emagrecer. “O cálcio interfere na produção de calcitriol, substância que bloqueia o processo de quebra de gordura”, diz Thiago Volpi, clínico-geral e nutrólogo de São Paulo. A função do calcitriol é ajudar o organismo a estocar gordura para que seja utilizada em períodos de jejum — daí também a necessidade de comer a cada 3 horas para emagrecer.

Gengibre

Estudos chineses e ingleses constataram que um pedaço diário do condimento (cerca de 5 cm) também acelera em 20% o metabolismo. O gingerol, um dos princípios ativos, aumenta a temperatura corporal e exige maior demanda de calorias do organismo. Segundo pesquisa da Universidade Joseph Fourier, na França, a canela também tem o mesmo efeito, graças ao aldeído cinâmico. A indicação diária é de até 2 colheres (sobremesa).

Ovo

Vários estudos demonstraram que esse alimento detona os excessos por induzir o organismo à saciedade. Um deles, feito pelo departamento de obesidade da Pennington Biomedical Research Center, da Universidade do Estado da Louisiana, nos EUA, revelou que o ideal é ingerir o dito-cujo logo de manhã. As voluntárias que consumiram um café da manhã composto de dois ovos mexidos, duas fatias tostadas de pão e um copo de suco se sentiram mais saciadas e comeram menos nas 36 horas seguintes.

Pera

Uma pera média tem 6 g de pectina. Trata-se da fruta com a maior quantidade desse tipo de fibra — logo depois vem a maçã, com 3 g em uma unidade média. O consumo de apenas uma pera representa 12% da necessidade diária de fibras. E o que parece ser o mais importante: um estudo do Instituto de Medicina Social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro mostrou que, por ser fibrosa e demorar mais para ser digerida, a pera ajuda a emagrecer. A pesquisa foi realizada com 411 voluntárias. O grupo que comeu até três peras ou maçãs diariamente, durante três meses, emagreceu mais que o outro, que substituiu as frutas por bolachas.

Brócolis

É fonte de um poderoso antioxidante, a vitamina C, além de fibras que fazem o organismo consumir mais calorias na digestão. Um estudo da Universidade Estadual Paulista, em Botucatu (SP), mostrou que a maior concentração de nutrientes está nas folhas e no talo dos brócolis. Cada 200 g dessas partes misturadas apresenta 3,71 g de fibras e 17,25 mcg de vitamina C. Bônus: os brócolis têm, ainda, sulforano, substância que combate a bactéria Helicobacter pylori, agente de úlceras e gastrites.

Linhaça

Segundo o mesmo estudo, feito em Botucatu, a semente da linhaça concentra muito mais fibras que outros campeões desse nutriente, como a pera e os próprios brócolis. Uma xícara (135 g) tem 57,37 g de fibras. A mesma porção do cereal concentra 2,16 g de ômega 3. Esse tipo de gordura estimula o bom funcionamento do sistema nervoso, afiando a memória e o poder de concentração.

Chá-verde

Segundo pesquisa da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, 1 xícara consumida entre 5 e 10 minutos antes do café da manhã, do almoço e do jantar é capaz de acelerar o metabolismo. Ponto para a cafeína, que atua no sistema nervoso. O mesmo estudo revelou que o chá-verde reduz a absorção de açúcar no sangue, ajudando a diminuir a compulsão por doces, além de inibir a ação da amilase, enzima que atua na quebra dos carboidratos. Quando não são quebrados, os carboidratos vão sendo eliminados pelo organismo.

Sopa

Um estudo da Universidade de Purdue, nos EUA, revelou que 1 xícara de caldo de frango é capaz de ajudar a afinar tanto quanto um filé magro. Os pesquisadores acreditam que a sopa dá sensação de saciedade. Sem falar no velho truque de ingerir uma frugal sopinha à noite para acordar no dia seguinte com o corpo sequinho. Por falar no caldo de frango, o tofu é outro alimento que provoca efeito semelhante a ele. Pesquisa da Universidade do Estado da Louisiana mostrou que consumir o item como aperitivo, antes de uma refeição, faz as pessoas comerem menos depois.

Vinagre

Esse tempero deixa a digestão mais lenta, o que aumenta a queima de calorias. Um estudo sueco mostrou que pessoas que comeram um pedaço de pão molhado em vinagre antes das refeições emagreceram mais rapidamente. Os pesquisadores dizem que o ácido acético faz com que alimentos demorem mais para passar do estômago para o intestino. O vinagre de maçã também ajudaria a diminuir o açúcar do sangue, que aumenta quando você come carboidratos refinados.

Sardinha

Um filé concentra entre 1,5 e 2,5 g de ômega 3. O nutriente acelera o metabolismo basal, processo de produção de energia para que o organismo realize suas funções vitais.
O ômega 3 também é encontrado no salmão, no bacalhau e no óleo de prímula e ajuda a baixar os níveis de gorduras, como os triglicérides, que provocam obstruções venosas.

Feijão

Estudo da Universidade da Califórnia, nos EUA, demonstrou que refeições compostas de feijão aumentam os níveis do hormônio colecistoquinina. Ele faz os alimentos permanecerem mais tempo no estômago, o que consome mais calorias para ser digeridos. Há evidências de que o pretinho aumenta os níveis de açúcar no sangue, diminuindo a fome. Outro estudo, feito na Universidade do Colorado, nos EUA, revelou que o feijão-branco faz o organismo absorver menos carboidrato, utilizando gordura para gerar energia, e induz uma queima de gordura 25% maior.

Laranja

Segundo o estudo da Unesp de Botucatu, a casca da fruta possui mais fibras que a própria polpa. Uma unidade (200 g) guarda 12,96 g desse nutriente na casca e 1,84 g na polpa. Não é sem motivo que os chás à base de casca de laranja são recomendados para quem quer emagrecer. A espécie amarga, ou laranja-da-terra, também concentra na casca uma substância chamada sinefrina, que acelera a queima de gordura. Duas xícaras diárias é a indicação aos que desejam emagrecer. A sinefrina é encontrada também na mostarda. Duas colheres de chá do condimento ajudam a nocautear a gordura.

Cereal matinal e aveia

Uma pesquisa da Universidade de Minnesota, nos EUA, constatou que o consumo de uma tigela pequena de cereais integrais é capaz de diminuir o apetite nas refeições seguintes. Mais: um desjejum rico em fibras deixa o corpo menos sensível à ação da insulina, hormônio responsável por levar o açúcar para dentro da célula para que seja transformado em energia. Quanto mais insulina, maiores são as chances de o organismo estocar gordura. Existem, ainda, estudos que mostram que o café da manhã acelera em 20% o metabolismo. Sem o desjejum, o organismo recebe um sinal para diminuir o ritmo da produção de energia e estocar gordura.